Virar ou não Sócio?

No início de 2017, o Consulting CJE foi procurado para auxiliar um cliente que queria se tornar sócio de uma Trupe que ele trabalhava. A empresa era composta por dois sócios e o nosso cliente desejava possuir uma parte do negócio.

Assim, foi designado à equipe do Consulting auxiliá-lo no processo de decisão: se ele deveria investir e, se caso investisse, quanto deveria ser investido, quanto tempo começaria a receber o retorno, qual seria sua participação e seu lucro anual.

Para isso, primeiro foi estudado o setor e o caso da empresa a fim de decidir qual seria o melhor método de valuation a ser utilizado. Concomitantemente, foram coletados todos os resultados da Trupe desde a sua criação e seu histórico. Ao fim desse processo, os dados foram organizados pela equipe separando cada um dos componentes da receita e do custo. A seguir, foi criada uma planilha com a estrutura do fluxo de caixa livre, na qual a previsão foi feita com base na análise da média histórica de cada um dos componentes e o seu potencial de crescimento. Foram inputadas novas compras de equipamentos e sua depreciação e instrumentos que eles já possuíam, bem como dos figurinos comuns e dos mais customizados. Depois, estimou-se um valor para o crescimento na perpetuidade e uma taxa de desconto que refletia os riscos que o cliente estava suscetível ao entrar nesse negócio. Através de análises de sensibilidade, foi mostrado ao cliente qual seria sua participação, seu lucro e o valor total da empresa dado uma taxa de desconto conforme o valor investido por ele. Com base nesse valor, a equipe discutiu e criou três possíveis cenários, sendo dois deles com a adição de um pró labore para os dois sócios e para o cliente.

Ao finaldo projeto, a equipe organizou uma reunião com os dois sócios (sell side) e o cliente (buy side), no qual foram apresentadas e discutidas as propostas, as funções do novo sócio, os resultados da empresa em gráficos explicativos e uma análise qualitativa através da SWOT, relacionando  o cenário macroeconômico do país e as consequências para o negócio. Por fim, os sócios pediram uns dias para pensar junto com um advogado. Semanas depois, os sócios vieram com uma contra proposta.

 

MAIS CASES